Publicado em 07/12/2023

Franqueador e franqueado: as vantagens do OnMaps nesta relação

Franqueador e franqueado: as vantagens do OnMaps nesta relação

Geofusion Victor Melo
LinkedIn
Compartilhe:
franqueador-franqueado

No sistema de franchising, quem atua seja como franqueador ou franqueado sabe o quanto é desafiador manter o negócio sempre na crista da onda.

E quando pensamos no mercado brasileiro atual, a história fica ainda mais complexa.

A concorrência é gigantesca e a confiança do consumidor nem sempre é grande, o que praticamente zera as possibilidades de erro tanto para a franqueadora, detentora da marca, quanto para a franqueada, que adquire os direitos para gerir uma unidade.

Investir com segurança é uma premissa do setor de franquias. Quem possui a marca garante que seu modelo de negócio funciona, enquanto o empreendedor busca colocar seu dinheiro em algo que realmente dê retorno – e com rapidez, de preferência.

De fato, tocar um novo negócio com base na reprodução de uma gestão e operação que comprovadamente dão certo é um ótimo argumento para vender os royalties de uma franquia. Mas será que isso basta?

Franqueador e franqueado: definições e atuações

No franchising, ambas as partes do negócio possuem seus direitos e obrigações, os quais devem ser firmados por meio de contratos formais.

De um lado, o franqueador fica responsável por desenvolver um modelo de negócio replicável, aplicar treinamentos, conceder as licenças necessárias para a execução dos processos e monitorá-los.

Do outro, o franqueado é quem opera as estratégias, acompanhando e relatando a respeito da eficácia delas, além de ficar incumbida de contratar funcionários, realizar o marketing local e manter a reputação da marca de acordo com os critérios definidos.

Neste conteúdo, explicaremos mais a respeito.

kit-expansao-2024

Importância da relação franqueador-franqueado

Para que todos esses fatores ocorram com eficiência, é fundamental que haja clareza no que é esperado de cada uma das partes envolvidas.

É comum que uma única empresa possua dezenas, centenas ou mesmo milhares de lojas para gerir, atuando nos mais diversos locais conforme o tipo de franquia ao qual ela corresponda.

Uma franqueada que possui o direito de abrir uma única unidade, por exemplo, vive uma realidade diferente de outra que pode operar unidades distintas ao mesmo tempo.

Por isso, é necessário ter padrões de qualidade que irão manter a consistência da marca, considerando essas variáveis para melhor entendimento e condução de processos.

Definindo as responsabilidades e compromissos

No Brasil, é obrigatório que o franqueador forneça ao franqueado a Circular de Oferta de Franquia (COF) antes mesmo que haja a assinatura do contrato.

Este é um documento que determina especificidades como:

  • Histórico da franquia: onde deve conter informações relacionadas à experiência da empresa no segmento, conquistas, entre outros aspectos;
  • Balanços financeiros: são documentos apresentando demonstrativos de resultados, fluxos de caixa e eventuais pendências;
  • Taxas de investimento: a franqueada precisa saber, desde o início, o quanto irá pagar de royalties, fundo de marketing, ou outros encargos;
  • Território de atuação: neste caso, é necessário designar se as operações podem acontecer em apenas um ou mais locais e em quais deles isso é viável;
  • Perfil ideal: indicação sobre as qualificações esperadas de quem for responsável pela unidade, suas habilidades técnicas, formação e conhecimento de mercado.

Além desses fatores, a COF pode indicar determinadas ações necessárias à manutenção da marca, como os fornecedores e tipos de insumos que podem ser utilizados na produção de uma mercadoria.

Por exemplo, se faz parte da marca conter uma porcentagem limitada de derivados de açúcar em todos os seus produtos, essa informação precisa estar bem clara no acordo.

franqueador-franqueado-2-f

Responsabilidades do franqueador

Após a assinatura do contrato, há determinados compromissos legais e boas práticas a serem seguidas pela franqueadora. Algumas das principais delas são:

1. Auxiliar na escolha do ponto comercial

É comum que médias e grandes marcas tenham pleno conhecimento sobre o perfil do público-alvo ou das características das regiões onde há maior potencial para venda de seus produtos ou serviços.

Sendo assim, elas podem realizar mapeamentos e indicar às franqueadas quais os lugares com maiores chances de obter sucesso, além de evitar a canibalização com outras lojas da rede.

2. Oferecer suporte ao franqueado

Para que haja eficiência na implementação do modelo, é importante que a franqueadora aplique treinamentos aos responsáveis pela loja ou mesmo aos funcionários a serem contratados.

Além disso, caso haja necessidade de equipamentos ou procedimentos específicos na execução das tarefas, o fornecimento de máquinas, manuais técnicos e a disponibilidade em tirar dúvidas se tornam necessários.

3. Informar sobre os padrões da marca

Algumas companhias se diferenciam no mercado pelos ingredientes que compõem seus produtos: pode ser determinado tipo de farinha, origem do grão de café, e assim por diante. Outras, pela experiência que oferecem aos seus consumidores.

São muitas as possibilidades que as fazem se destacar no segmento em que atuam – e quando há proteção de patente, isso é ainda mais relevante. Portanto, é fundamental que essas características de negócio sejam devidamente repassadas à franqueada.

Responsabilidades do franquado

O investidor na marca também tem acordos a serem cumpridos de acordo com o contrato. Estão entre eles:

1. Manter o padrão de qualidade

Quem decide investir em um negócio que já possui reputação no mercado se beneficia disso. Afinal, irá trabalhar com uma empresa já conhecida pelo consumidor, o que facilita na aquisição de clientes.

Porém, é necessário considerar nas estratégias de negócio que muito desse valor “adquirido” ocorre justamente devido à formatação de processos desenhados pela franqueadora. Conforme mencionamos, isso pode envolver desde o atendimento até a estrutura de um estabelecimento.

2. Cumprir com as obrigações financeiras

No franchising, é como se o franquador estivesse “alugando” as vantagens – e também os ônus – de fazer parte de uma grande rede. Por isso, existem contribuições necessárias para a manutenção do negócio.

As principais são: a taxa de franquia, que consiste em um pagamento único pela aquisição dos direitos de operação; os royalties atrelados ao uso da marca; e o fundo de marketing, para que a companhia elabore ações com o intuito de manter a empresa forte no mercado.

Porém, há casos nos quais podem ocorrer custos adicionais relacionados ao treinamento de colaboradores, seguros, entre outros aspectos.

3. Fazer a gestão das unidades

Ainda que a propriedade intelectual seja do franqueador, a responsabilidade pelo funcionamento eficaz do estabelecimento é do franqueado.

Portanto, a ele cabe a função de acompanhar fluxos de caixa, contratar funcionários, mensurar vendas e elaborar relatórios de performance a respeito do desempenho da loja.

franqueador-franqueado-3-f

Ponto comercial: inteligência geográfica no franchising

Existem alguns fatores que podem atrapalhar o desempenho de uma unidade. Um dos principais, com toda a certeza, é a escolha do ponto.

Afinal, a localização é tão importante quanto uma operação azeitada e funcionando em sua plenitude.

É então que os mapas inteligentes apontam as melhores e mais rentáveis regiões para a abertura de novos pontos de franquia.

Conhecer onde está seu público-alvo, a concorrência e a dinâmica das cidades é um belo argumento na hora de vender os direitos de uma marca, não é verdade?

Na hora da negociação, é possível ter em mãos dados convincentes sobre onde, com certeza, uma nova unidade vai vender mais.

Assim,o franqueador fortalece os laços de confiança com os seus investidores, que precisam de auxílio para gerir e alavancar resultados.

Imagine que uma das unidades não vai bem e precisa atrair novos clientes. Conhecendo a fundo o perfil dos consumidores do entorno, você poderá sugerir ao franqueado os lugares com maior potencial para lojas, e ainda colocar em prática campanhas de comunicação efetivas.

Quer saber como fazer isso? Neste material, nós contamos e mostramos mais a respeito:

Nova call to action
Geofusion Victor Melo
LinkedIn
Compartilhe:
Newsletter

Receba nossos conteúdos exclusivos!


Outras postagens

6 formas de planejar e executar sua captação de alunos

Como abrir uma franquia com inteligência geográfica

Sell in e sell out: o que é e como vender mais com geomarketing

Strip Malls: o que são e quais as vantagens no varejo